Jun 18, 2013

Caixa Econômica aposta na carteira eletrônica. Federal Bank (Brazil) bet on "electronic wallet".

A Caixa Econômica Federal (CEF) está concentrando grande parte de seus esforços de inovação no desenvolvimento de soluções que garantam a mobilidade de seus clientes. O projeto mais recente, apresentado nesta quinta-feira, 13, no CIAB 2013, prevê a criação do que o banco está chamando de carteira eletrônica - em parceria com a TIM.


De acordo com o gerente de serviços de TI da CEF, Evandro Avelar, o escopo do projeto que vem sendo desenvolvido pela instituição prevê que os usuários da carteira eletrônica possam jogar e receber prêmios da loteria, consultar saldos e extratos, receber benefícios e fazer transferências. “A ideia é colocar na carteira eletrônica tudo o que o cidadão carrega em sua carteira física”, explica.

Com o novo serviço, a CEF deve abocanhar um pedaço do mercado brasileiro de m-payment. De acordo com o Gartner, este mercado deve movimentar US$ 235 bilhões somente este ano e chegar, até 2017, a US$ 1,5 trilhão em todo mundo.
Avelar conta que o produto tem como requisitos a possibilidade de trabalhar off-line, atendendo usuários de áreas não cobertas pelas redes de telefonia; permitir o cadastramento não presencial, evitando que estas pessoas tenham que se deslocar para isso; e permitir o atendimento a não correntistas, alavancando outros serviços da instituição, como loterias e consulta a saldos e movimentações do FGTS.
“A iniciativa é uma evolução dos esforços que estamos fazendo para dar cada vez mais mobilidade aos nossos clientes”, diz Avelar. Um dos exemplos citados por ele foi o lançamento, em dezembro do ano passado, do internet banking desenvolvido para navegação em celulares e tablets.
A preocupação com a mobilidade vai além da tecnologia. Para a CEF, iniciativas como a criação de agências móveis em caminhões e barcos também estão relacionadas à inovação em mobilidade. O barco com agência móvel mantido pela instituição no rio Solimões é hoje responsável pelo atendimento a uma área de 350 km e 316 mil pessoas. “Somente primeiro ano de funcionamento, o barco atendeu 23 mil pessoas e abriu cinco mil novas contas”, revelou.
:: Fabio Barros - 13/06/2013